Cratera de impacto em Marte revela imenso depósito de gelo

Terra não e o único lugar do sistema solar que oferece vistas magníficas de crateras cobertas de gelo. Já há algum tempo Marte entrou nessa lista e surpreendeu o mundo com paisagens que parecem bem familiares aqui no nosso planeta.

A fantástica foto que correu o mundo recentemente foi feita juntando 5 imagens em altíssima resolução produzidas pela sonda ‘Mars Express Orbiter’.

O local da foto é a ‘cratera Korolev‘, que se localiza nas “Terras Baixas do norte”, próximo ao pólo norte de Marte.

Segundo os especialistas a cratera gigante mede cerca de 80 km de largura por 2 km de profundidade. Cientistas estimam que o gelo preencha pelo menos 1.8 km de profundidade.

cratera Korolev foi assim chamada em homenagem ao famoso projetista de foguetes Sergei Korolev, considerado o fundador do programa espacial soviético.

A cratera de Korolev tem 82 quilômetros de diâmetro e está localizada nas terras baixas do norte de Marte, ao sul de um grande trecho de terrenos cobertos de dunas que circunda parte da calota polar do norte do planeta (conhecida como Olympia Undae). É um exemplo especialmente bem preservado de uma cratera marciana e preenchida não pela neve, mas pelo gelo, com seu centro abrigando um monte de gelo com 1,8 km de espessura durante todo o ano.

Ele foi responsável pelo foguete de propulsão ‘R-7’ e também pelo famoso ‘Sputnik’, e mesmo hoje em dia a sonda Soyuz ainda possui foguetes que usam tecnologia do projeto R-7.

A descoberta de gelo em Marte é sempre uma boa notícia, já que suprimentos de gelo podem facilitar muito qualquer tipo de missão ao Planeta Vermelho, permitindo o acesso a água e oxigênio para futuras bases de colonização.

Esta presença sempre gelada é devido a um fenômeno conhecido como ‘armadilha fria’, que ocorre como o nome sugere. O chão da cratera é profundo, a cerca de dois quilômetros de altura abaixo de sua borda. As partes mais profundas da cratera Korolev, as que contêm gelo, funcionam como uma armadilha natural de frio: o ar que se move sobre o depósito de gelo esfria e afunda, criando uma camada de ar frio que fica diretamente acima do próprio gelo.

Comportando-se como um escudo, essa camada ajuda o gelo a permanecer estável e impede que ele se aqueça e desapareça. O ar é um mau condutor de calor, exacerbando este efeito e mantendo a cratera de Korolev permanentemente gelada.

A imagem foi construída a partir de cinco fotos, cada uma capturada durante uma órbita diferente, em abril passado. A imagem foi processada para mostrar como a cratera Korolev aparece quando vista de um determinado ângulo, e a cor foi corrigida para mostrar como ela seria caso a víssemos ao vivo. Uma vista aérea (disponível abaixo) e uma vista topográfica da cratera também foram liberadas pela ESA (Agência Espacial Europeia, na sigla em inglês).

Se os humanos alguma vez forem à Marte, esta região poderá ser estratégica. A água é escassa no planeta vermelho, por isso essa região polar, com suas extensas calotas de gelo, pode fornecer um amplo suprimento do líquido.

A região de Marte também foi de interesse para outras missões, incluindo  o programa ExoMars da ESA , que visa estabelecer se a vida realmente existiu em Marte. O CaSSIS (Color and Stereo Surface Imaging System) a bordo do ExoMars Trace Gas Orbiter, que começou a operar em Marte em 28 de abril de 2018,  também tirou uma bela vista da parte da cratera Korolev  – essa foi uma das primeiras imagens enviadas pela nave espacial de volta à Terra depois de chegar ao nosso planeta vizinho.

Além disso, a cratera de Korolev proporcionaria um local ideal para o jogo de hóquei mais épico da história do Sistema Solar.

[ESA]

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *