Explosões misteriosas de ondas de rádios e suas localizações exatas são detectadas

Teríamos localizado o endereço de uma civilização alienígena? Mesma se não for o caso, a descoberta ainda é surpreendente.

Enorme explosão misteriosa de ondas de rádios foi localizada precisamente a uma distância de 3,6 bilhões de anos-luz, em uma grande galáxia.

“Este é o grande avanço que temos esperado desde que os astrônomos descobriram explosões rápidas de rádio em 2007”, disse o principal autor do estudo, Keith Bannister, da agência nacional de ciência da Austrália.

“Se fôssemos ficar na Lua e olhar para a Terra com essa precisão, poderíamos dizer não apenas de qual cidade a explosão veio, mas qual código postal e até mesmo qual quarteirão da cidade”, disse ele.

A descoberta foi feita por uma equipe internacional liderada por australianos usando um novo radiotelescópio pertencente à Organização de Pesquisa Científica e Industrial da Commonwealth (CSIRO), a agência científica australiana. Os astrônomos esperam que o avanço os aproxime da descoberta das causas das explosões rápidas de rádio, que permanecem desconhecidas, de acordo com o estudo.

A descoberta, publicada na revista Science, está entre as mais significativas desde a descoberta, em 2007, de FRBs. Desde 2007, apenas 85 explosões cósmicas de ondas de rádio foram detectadas. A maioria é “one-offs”, mas uma pequena quantidade são “repetidores” que se repetem no mesmo lugar.

Dois anos atrás, os astrônomos encontraram uma galáxia “repetidora”, mas esta é a primeira vez que eles localizam exatamente uma ondulação “única”. As rajadas de rádio rápidas duram menos de um milissegundo, o que torna incrivelmente difícil identificar sua origem.

A tecnologia usada na descoberta foi o radiotelescópio australiano Square Kilometre Array Pathfinder (ASKAP). O ASKAP tem 36 antenas parabólicas, com a explosão chegando a cada uma em um tempo ligeiramente diferente, permitindo que os cientistas calculem sua origem.

“A explosão que localizamos e sua galáxia hospedeira não se parecem em nada com o ‘repetidor’ e seu hospedeiro. Ela vem de uma enorme galáxia que está formando relativamente poucas estrelas, disse o Dr. Adam Deller, da Universidade de Tecnologia de Swinburne, em Melbourne, e membro da equipe.

Ele continua: “Isso sugere que rajadas de rádio rápidas podem ser produzidas em uma variedade de ambientes, ou que as explosões aparentemente únicas detectadas até agora pelo ASKAP são geradas por um mecanismo diferente para o repetidor”.

O ASKAP foi capaz de congelar e salvar os dados menos de um segundo após a explosão ter chegado ao telescópio de sua galáxia de origem.

“A partir dessas minúsculas diferenças de tempo – apenas uma fração de um bilionésimo de segundo – identificamos a galáxia inicial da explosão e até mesmo seu ponto de partida exato, a 13.000 anos-luz do centro da galáxia nos subúrbios galácticos”, disse Deller.

K.W. Bannister el al., “A single fast radio burst localized to a massive galaxy at cosmological distance,” Science (2019). science.sciencemag.org/lookup/ … 1126/science.aaw5903

VIAPhys e Independent

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *