Humano entra em hibernação artificial pela primeira vez na história

Cientistas do Hospital da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, anunciaram que, pela primeira vez na história, um paciente foi colocado em um estado de ‘hibernação artificial’.

A hibernação é um estado natural de letargia de alguns animais, quando ocorrem baixas temperaturas ou condições climáticas perigosas; Os animais diminuem sua freqüência respiratória e cardíaca para economizar energia.

No entanto, no caso de humanos, isso não acontece, esse fato só aconteceu em filmes tão diferentes quanto ‘Alien’ ou ‘Interestelar’ com supostas ‘câmeras de sonho’, ou em videogames como ‘Halo’ ou ‘Zelda’ , um fato que sempre foi considerado algo futurista, projetado para fazer longas viagens pelo espaço.

Os cientistas do Hospital da Universidade de Maryland progrediram nessa questão com um processo conhecido como ‘preservação e ressuscitação de emergência’ (EPR), que envolve o resfriamento do corpo rapidamente a cerca de 10 graus Celsius, substituindo o sangue do paciente. com solução salina fria.

A temperatura corporal é normalmente de 37 ° C, portanto as células precisam de um suprimento regular de oxigênio para funcionar normalmente. O resfriamento do corpo diminui a atividade metabólica nas células, preserva os tecidos e para o coração; no entanto, cinco minutos de privação de oxigênio podem ser catastróficos para o cérebro.

O objetivo, por enquanto, dessa técnica é economizar tempo em cirurgia de emergência, com considerável perda de sangue e parada cardíaca; Depois que a emergência passa, os pacientes ficam quentes e “voltam à vida”.

Até o momento, não se sabe quanto tempo um humano deve durar nesse estado sem risco para a saúde, segundo a revista N + 1, a hibernação artificial já havia sido testada em animais, onde o sangue foi substituído por solução salina a uma temperatura de 10 A 12 °, após a cirurgia, o sangue foi devolvido.

Nestas experiências, os porcos conseguiram sobreviver três horas em hibernação e voltar ‘à vida’ e ter uma recuperação satisfatória.

Esse fato, dos quais poucos detalhes são conhecidos, provocou um debate na comunidade científica sobre um possível caso de experimentação em seres humanos.

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *