TOMATE E OUTRAS OITO PLANTAS NASCEM COM SUCESSO EM SOLO MARCIANO

Se queremos nos sustentar em bases fora da Terra, precisamos encontrar uma maneira de cultivar nossa própria comida, e agora temos mais plantas para fazer isso do que sugere o filme Perdido em Marte. Algumas experiências foram realizadas usando réplicas do solo da Lua e de Marte e produziram colheitas com sucesso.

Curiosamente, o solo equivalente a Marte foi mais fiel do que a simulação do solo da Lua no cultivo das plantas – fornecendo esperança para a agricultura futura no Planeta Vermelho.

Os pesquisadores usaram uma reprodução de regolito – a mistura solta de sujeira, poeira e outros detritos encontrados no topo da superfície de Marte e da Lua -, desenvolvida pela NASA. Esse simulador de regolito foi misturado com material orgânico que os astronautas precisariam trazer da Terra para uma base fora ou que poderiam ser restos de compostagem de colheitas anteriores.

Em testes em 10 culturas diferentes – agrião, eruca vesicaria, tomate, rabanete, centeio, quinoa, espinafre, cebolinha, ervilha e alho-porro – todas as culturas cresceram bem e produziram partes comestíveis, com exceção do espinafre.

“Ficamos emocionados quando vimos os primeiros tomates já cultivados no simulador de solo de Marte ficarem vermelhos”, diz o ecologista Wieger Wamelink , da Wageningen University & Research, na Holanda. “Isso significa que o próximo passo em direção a um ecossistema agrícola fechado e sustentável foi dado”, ressaltou.

O experimento em si já existe há vários anos, mas agora um artigo revisado por pares foi publicado na revista Open Agriculture sobre os resultados.

As colheitas se saíram melhor no regolito marciano do que no lunar, onde a mistura marciana é baseada em observações tiradas das sondas Viking e do rover Pathfinder, e usa amplamente material de uma área vulcânica do Havaí. Quanto ao regolito da Lua, na verdade temos amostras – apenas o suficiente para o cultivo. O simulador aprovado pela NASA é baseado em material coletado nos desertos de Flagstaff, Arizona, nos EUA.

Além do crescimento bem-sucedido de nove das espécies cultivadas, os cientistas conseguiram colher sementes suficientes das plantas de rabanete, agrião e centeio para iniciar uma segunda colheita.

Ainda há muito trabalho a fazer antes que possamos construir fazendas em Marte e na Lua – este estudo analisou apenas o tipo de solo disponível nestes corpos planetários, sem levar em consideração os outros fatores adversos que as plantas enfrentariam, como radiação solar, calor e frio extremos (é provável que tenhamos que cultivar nossas colheitas em ambientes fechados).

No entanto, este é um passo positivo em frente. O progresso sempre será lento quando se trata de cultivar plantas em outros planetas, mas há sinais positivos de que estamos chegando lá. [ScienceAlert]

 

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *