Crânios alongados de 12.000 anos descobertos na Ásia

Estes são os mais antigos crânios alongados já descobertos. A descoberta indica como Crânios Alongados podem ter se originado na Ásia, mais de 12.000 anos atrás.

De acordo com um novo relatório arqueológico, humanos antigos que habitavam partes da Ásia atual tinham crânios alongados há mais de 12.000 anos.

As pessoas alongariam seus crânios como um sinal de riqueza e status, acreditam os pesquisadores.


Durante escavações arqueológicas de antigos toms chineses, produziu-se o que hoje é considerado o mais antigo crânio alongado da Terra.

Ao escavar um sítio arqueológico chamado Houtaomuga, os pesquisadores encontraram 25 esqueletos datados entre 5.000 e 12.000 anos atrás. Curiosamente, 11 dos esqueletos escavados continham crânios em forma de ovo.

Anteriormente, pensava-se que a cabeça-biding, que permitiu a deformação artificial do crânio datam de entre 8.000 e 10.000 anos atrás.

Essa prática era comum em todo o mundo, e evidências de crânios alongados podem ser encontradas na América do Sul, América Central, Europa, África e Ásia.

Acredita-se que a prática da deformação craniana artificial tenha começado no continente americano há cerca de 8.000 anos.

Acredita-se que a prática do alongamento dos crânios foi feita para transmitir uma mensagem especial à sociedade.

Acredita-se que a prática de alongar crânios tenha sido reservada exclusivamente para membros da alta sociedade ou famílias reais.

A descoberta foi feita por pesquisadores da Texas A & M University, em Dallas.

Arqueólogos dizem que cinco dos crânios alongados que escavaram pertenciam a cinco adultos: quatro homens e uma mulher.

Descobriu-se que os esqueletos descobertos no local pertencem a indivíduos entre os três e os quarenta anos de idade.

O mais jovem esquelético foi enterrado com um número de peças de cerâmica, bem como outros artefatos que indicam que o indivíduo pertencia a uma importante família.

Dentro dos enterros, os ornamentos de conchas descobertos ao lado de uma mulher com um crânio alongado também indicam um status elevado.

"É muito cedo para dizer se a modificação craniana intencional surgiu pela primeira vez no leste da Ásia e se espalhou por outros lugares ou se originou de forma independente em lugares diferentes", revelou Wang, da Texas A & M University, em Dallas.

Curiosamente, como observado pelos pesquisadores, o mais antigo crânio de Houtaomuga pode não ter sido o resultado de deformação craniana artificial.

Conforme explicado pela Science News, “o mais antigo dos crânios exibe uma caixa torácica ligeiramente alongada que provavelmente não foi intencionalmente modificada”.

Os pesquisadores argumentam que evidências de crânios alongados ou deformação craniana artificial estavam presentes no sítio arqueológico de Houtaomuga por mais tempo do que em qualquer outra escavação arqueológica descoberta até agora.

A pesquisa detalhando as descobertas feitas por especialistas durante a escavação arqueológica que durou de 2011 a 2015 foi publicada no Journal of Physical Anthropology.

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *