Há algo muito errado com esta foto de tamanduá premiada

Sob a entrada de Marcio Cabral, o Museu Britânico de História Natural detalhou o árduo processo pelo qual o fotógrafo disse que passou para tirar a foto premiada. Ele passou três anos retornando às planícies do Brasil, disse ele a juízes do Wildlife Photographer of the Year, empilhando cupinzeiros gigantes pontilhados de larvas de besouros bioluminescentes – e esperando, como um monge, pelo momento perfeito. “Depois de dias de chuva, Marcio finalmente conseguiu capturar o fenômeno, mas ele também recebeu um bônus surpresa”, disse uma legenda. “Saiu da escuridão um tamanduá gigante, indiferente a Marcio em seu esconderijo, e começou a atacar o monte alto de concreto e lama com suas poderosas garras, depois dos cupins que viviam lá no fundo.” E com um único clique, Cabral estava a caminho de ganhar o prêmio de fotografia do museu em 2017 na categoria “Animais em seu meio ambiente”. Ele chamou a imagem do tamanduá cavando no cupinzeiro “The Night Raider”. Fotógrafos e amantes da natureza se maravilhavam com seu trabalho. Foi colocado na exposição do museu e preparado para uma turnê da obra de arte vencedora. Mas alguns terceiros anônimos notificaram os organizadores do concurso que algo não estava certo. O tamanduá na foto não saiu de nenhuma escuridão no passado recente, eles alegaram. Havia uma razão pela qual o animal estava “alheio a Marcio em sua pele”. Foi recheado. Um tamanduá empalhado em exposição no centro de visitantes no Parque Nacional Emas, no Brasil. (Museu de História Natural Britânica) E os críticos tinham uma foto real, não editada, para respaldar sua alegação sobre o mamífero insetívoro taxidermeado, informou o museu de história natural em um comunicado à imprensa. O mesmo bicho de pelúcia estava em exposição no centro de visitantes, em uma das entradas do Parque Nacional das Emas, no Brasil. Isso foi, coincidentemente, o mesmo parque onde “The Night Raider” foi tirado. E o tamanduá em ambas as fotos tem aproximadamente a mesma pose, um sinal revelador de que não está, tecnicamente, vivo. Quando questionado, Cabral negou ter roubado o tamanduá de pelúcia da vitrine e jogado contra um monte de cupins no meio da noite. Então o museu iniciou uma investigação. “As regras afirmam claramente que ‘as inscrições não devem enganar o espectador ou tentar deturpar a realidade da natureza'”, disse o comunicado do museu. Tamanduás recheados estão fora. O museu reuniu uma equipe de cinco cientistas para comparar as fotos: dois especialistas em mamíferos, um especialista em mamíferos da América do Sul, um especialista em tamanduá e um especialista em taxidermia. Os cientistas examinaram as fotos de forma independente, mas chegaram à mesma conclusão: “Há elementos na postura geral, morfologia, posição dos tufos de pêlo levantados e nos padrões no pescoço e no topo da cabeça que são muito semelhantes para o imagens para retratar dois animais diferentes “, disse o museu. O museu também encontrou algumas das respostas de Cabral às perguntas sobre a fotografia suspeita. Não é incomum que os fotógrafos da vida selvagem tirem dezenas ou centenas de fotos de um assunto para capturar uma única imagem utilizável. Mas Cabral havia tirado apenas uma foto perfeita e premiada. Não havia fotos do tamanduá suspeito em outra pose. Cabral não retornou imediatamente mensagens do Washington Post em busca de comentários. “Cabral forneceu uma explicação sobre por que ele não tinha outras imagens do tamanduá”, disse o museu em seu comunicado à imprensa. “Ele também forneceu uma testemunha que afirma ter visto o tamanduá vivo. O Sr. Cabral nega veementemente que o tamanduá na imagem seja um espécime de taxidermia. “Mas o museu se sentiu diferente, e Cabral foi desqualificado. Sua imagem foi removida da exposição e da turnê, e ele nunca mais pode entrar na competição. Foi a segunda vez em oito anos que o Museu de História Natural determinou que uma foto premiada era boa demais para ser verdade. Em 2000, José Luis Rodriguez disse que passou meses acompanhando pacientemente um bando de lobos ibéricos para capturar uma imagem dramática de alguém pulando a cerca de um fazendeiro para caçar animais – e ganhando o prêmio de Fotógrafo do Ano do museu. Mas os juízes depois descobriram que ele havia contratado o lobo de um parque de vida selvagem de Madri, em violação das regras do concurso que proíbe modelos de animais, segundo o jornal The Guardian. Agora, ele e Cabral estão na mesma lista proibida. Cabral é um fotógrafo brasileiro especializado em fotos e vídeos panorâmicos, de acordo com seu site. Ele recebeu mais de uma dúzia de prêmios, de acordo com o site, que elogia sua “merecida reputação por seu trabalho premiado, que foi publicado em uma variedade de revistas de viagens e turismo”. Seu site não menciona o prêmio do Museu de História Natural Britânico, nem a controvérsia em torno dele. Mas sua desqualificação foi uma perda para todos os outros fotógrafos da categoria, disse o museu. “Um vencedor de nova categoria não pode ser premiado porque o julgamento em toda a competição é cego – os nomes dos fotógrafos não são revelados. Como os fotógrafos são agora conhecidos, seria impossível para os juízes fazerem uma escolha objetiva. ”2018 © The Washington Post Este artigo foi originalmente publicado pelo The Washington Post.
Facebook Comments