Última lua cheia da década, A “lua fria” cairá nesta sexta-feira 13

Esta sexta-feira (13) é um prato cheio para os supersticiosos!

Não só esta semana nos traz uma sexta-feira 13, mas também uma lua cheia. E uma super especial: é a última vez que o astro atingirá tal etapa em seu ciclo na década de 2010.

É a segunda vez neste ano que uma sexta-feira coincide com um dia 13 e, ao mesmo tempo, uma lua cheia. A primeira foi em setembro e, antes disso, apenas em outubro de 2000. 2019 é ou não o ano das coincidências?

A fase de lua cheia começa já na noite nesta quinta-feira (12), mas atinge seu ápice na sexta-feira, declinando até o domingo (15).

O espetáculo pode ser, no entanto, ofuscado pelo céu nublado que se instala pela capital paulista nos últimos dias. A previsão para quinta e sexta-feira é de céu com muitas nuvens, e pancadas de chuva durante tarde e noite.

Conhecida como Cold Moon (“lua fria”, em tradução livre), ela marca o solstício de inverno no hemisfério norte e, consequentemente, o verão no hemisfério sul, onde fica o Brasil.

O satélite natural terá um brilho especial porque está posicionado no lado oposto do Sol (do ponto de vista da Terra, claro), aparecendo em sua totalidade e refletindo a luz solar de um jeito peculiar. A face lunar virada para o nosso planeta estará completamente visível ainda até a sexta-feira (13), e a partir daí começa a entrar lentamente na fase de Quarto Minguante.

A Lua Cheia de dezembro está presente em lendas de diversas culturas. Na Europa antiga, marcava a véspera do Yule, as festanças de fim de ano, muito antes do cristianismo e o Natal dominarem a cultura ocidental. Por isso, também é conhecida como a “Lua antes do Yule”. Outros nomes dados pelos europeus são Lua da longa noite e Oak Moon — este último acredita-se que esteja ligado a tradições druidas. Mas foi na cultura nativo-americana, segundo o Almanaque dos Fazendeiros do Maine, que esta última Lua Cheia do ano ganhou o nome de Lua Fria. As tribos Algonquin a chamavam assim por conta das noites longas e frias que costuma anteceder o fenômeno.

Para ver a Cold Moon e admirar a última lua cheia da década, basta olhar para o céu nesta noite, torcendo, claro, para que não esteja encoberto. Perto da meia-noite é o melhor horário para ver o satélite natural brilhando no céu, pois é o momento em que ele estará no ponto mais alto da noite.

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *