China testa míssil de terceira geração com 10 ogivas que atinge os EUA(vídeo)

O Exército Popular de Libertação da China lançou com sucesso um míssil balístico intercontinental de terceira geração de longo alcance no domingo.

O míssil JL-3 foi lançado na baía de Bohai, perto da península de Shandong, na costa noroeste do país, segundo a revista digital US Defense Blog.

O JL-3 é um míssil intercontinental de terceira geração com alcance entre 10.000 e 14.000 km e é capaz de transportar até 10 ogivas independentes. A distância entre o gigante asiático e os Estados Unidos é de 11.721KM sentido Europa, e 7400 Km da fronteira com Coreia do Norte.

Esta arma foi projetada para ser instalada em submarinos nucleares da classe Tipo 096 que entrarão em serviço na Marinha Chinesa no final da próxima década.

O projétil JL ou Julang – que se traduz do chinês como “grande onda” – faz parte da estratégia do Exército Popular de Libertação da China, que visa estender suas capacidades de dissuasão nuclear.

Anteriormente, a Administração de Segurança Marítima da Província de Liaoning havia emitido um aviso de que a área da Baía de Bohai estava fechada para navegação por causa de treinamento militar no Mar do Sul da China.

Segundo a instituição, os exercícios seriam realizados durante todo o domingo e meio-dia na terça-feira em uma área perto das possessões chinesas nas Ilhas Paracelso.

Por outro lado, o ministro da Defesa chinês Wei Fenghe, criticou fortemente as atividades estadunidenses em áreas que a China considera sob a sua soberania, especialmente perto da ilha autogovernada de Taiwan, cuja soberania reivindica Pequim e afirma que tais ações fortalecem a agenda separatista da ilha.

Wei insistiu que o país asiático está disposto a “lutar até o fim e a todo custo” para proteger seus interesses nacionais. Advertiu que eles não vão dar “uma polegada” de seu “solo sagrado”, e que o Exército de Libertação do Povo Chinês (EPL) serve “exclusivamente para propósitos de autodefesa”, por isso só atacará se for atacado.

Em maio passado, os contratorpedeiros estadunidenses navegaram duas vezes pela área em questão, algo que Pequim descreveu como “atos provocativos”. A China insiste que os navios de guerra de outros países peçam permissão e notifiquem suas autoridades antes do trânsito através de suas águas territoriais.

Texto: Hispan

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *