Entenda o Grande Eclipse Solar Sul-Americano que acontece nesta terça

O próximo fenômeno dessa magnitude, nesta região, só acontecerá em 2103.

Quando a Terra e o Sol se alinham e a Lua está no meio dos dois ocorre um eclipse solar. Ele pode ser de três tipos: total (quando a lua encobre totalmente a luz solar), parcial (apenas uma parte da iluminação é encoberta pela Lua) e anelar, quando a distância entre os astros faz a Lua parar na frente do Sol, mas encobrindo apenas o centro, assim formando um anel de luz em torno da sombra da Lua que cobre o Sol. Confuso? O gif abaixo dá uma ajudinha.

Apesar de serem fenômenos curiosos – que podem “transformar o dia em noite” por alguns minutos – eles não são raros: os eclipses solares totais, por exemplo, ocorrem a cada 18 meses.

No entanto, o que torna a observação do breve desaparecimento do Sol tão emocionante é que ela só é visível para aqueles que estão diretamente no caminho da chamada umbra da Lua, ou seja, a parte mais escura da sombra de dentro da qual todo o disco do Sol é obscurecido.

O território total capaz de estar dentro “umbra” a cada eclipse não é muito grande – são áreas entre 150 quilômetros e 250 quilômetros de extensão que conseguem enxergar o fenômeno de cada vez. Apenas uma pequena porcentagem do hemisfério iluminado pela Terra é capaz de aproveitar a experiência ao vivo.

Além disso, a observação de um em tempo real é uma oportunidade genuinamente única na vida. Afinal, ainda que não sejam incomuns, eclipses solares totais ocorrem no mesmo local específico, em média, a cada 360 anos.

Em 21 de agosto de 2017, milhares de pessoas de todo o mundo testemunharam o “Grande Eclipse Solar Americano”, o primeiro eclipse solar total visto dos Estados Unidos desde 11 de janeiro de 1880.

Agora é a nossa vez: dia 2 de julho acontecerá o “O Grande Eclipse Solar Sul-Americano”, já que o estreito caminho do eclipse se estenderá pelo Pacífico Sul, começando em La Serena, no Chile, e encerrando em Buenos Aires, Argentina. Apenas esses 2 países conseguirão ter a visão total do eclipse – mas um eclipse parcial também será visível no Uruguai, Paraguai, Equador e Brasil. Neste mapa interativo, você consegue ver toda a região onde o eclipse vai aparecer.

Outra vantagem é que dois grandes observatórios – o Observatório Interamericano de Cerro Tololo e o Observatório de La Silla – estão diretamente no caminho da umbra. Os poderosos telescópios, posicionados nas áreas remotas conhecidas por seus céus claros no Chile, vão capturar o fenômeno impressionante ao vivo e transmiti-lo para centenas de países e milhões de pessoas em todo o mundo.

Aqui em terras tupiniquins, quase todo o país poderá ver pedaços do eclipse – dependendo da cidade, poderemos ver de 9% a 60% de ocultação do sol. O Nordeste será a única região que não conseguirá ver o fenômeno, pois o eclipse começará em um horário em que já estará escuro na região.

No Brasil, o espetáculo começa em algumas cidades por volta das 16h,com o pico do eclipse acontecendo às 17h49 no horário de Brasília. Neste site você pode pesquisar como o eclipse aparecerá na sua cidade (basta colocar sua cidade no campo de busca em que está escrito “place or country…”).

Se você estiver entre os poucos sortudos no caminho do “Grande Eclipse Solar Sul-Americano”, use óculos especiais para proteger os olhos da radiação ultravioleta, que pode resultar em danos permanentes – e até mesmo cegueira.

Para aqueles que não estão no caminho do eclipse solar, um consolo: entre 16 de julho e 17 de julho de 2019, uma grande parte do mundo – incluindo a América do Sul, Europa, África, Ásia e Austrália – verá um eclipse lunar parcial, ou uma espetacular “lua de sangue”. O jeito vai ser se conformar com esse, porque outro eclipse solar da magnitude do dia 2 só acontecerá de novo em 2103.

Via Super interessante

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *