Há evidências de que a pílula anticoncepcional poderia mudar a forma do seu cérebro

A pesquisa sugeriu que os esteróides sintéticos fornecidos pela pílula anticoncepcional feminina podem encolher certas regiões do cérebro feminino e também podem estar alterando sua função.

Em 2015, neurocientistas da Universidade da Califórnia, Los Angeles, nos Estados Unidos, fizeram exame de imagens cerebrais de 90 mulheres que usavam ou não a pílula, e descobriram que duas regiões cerebrais eram mais finas em usuários de pílulas – o córtex orbitofrontal lateral e córtex cingulado posterior.

Essas duas regiões estão envolvidas na regulação emocional, na tomada de decisões e na resposta às recompensas, e os pesquisadores acreditam que suas descobertas poderiam ajudar a explicar por que algumas mulheres ficam ansiosas ou deprimidas quando tomam a pílula anticoncepcional.

"Algumas mulheres experimentam efeitos colaterais emocionais negativos ao tomar pílulas anticoncepcionais orais, embora as descobertas científicas que investigaram foram misturadas", disse a principal autora do estudo, Nicole Petersen, ao The Huffington Post em 2015.

"Portanto, é possível que essa alteração no córtex orbitofrontal lateral possa estar relacionada às mudanças emocionais que algumas mulheres experimentam ao usar pílulas anticoncepcionais".

Embora essas descobertas tenham sido baseadas em um tamanho de amostra muito pequeno, os cientistas mostraram anteriormente que a pílula pode afetar a quem uma mulher é atraída e pode reduzir pela metade o tamanho de seus ovários.

E em 2010, uma equipe da Áustria também descobriu que a pílula anticoncepcional poderia mudar a forma das regiões cerebrais associadas à aprendizagem, memória e regulação emocional.

Mas a pesquisa deles sugeriu que ele engrossou essas regiões, em vez de afiná-las, um resultado que este novo estudo contradiz.

No entanto, é importante notar que a pesquisa não investigou se a pílula ligada ou não à pílula mudou a forma do cérebro dentro das mesmas mulheres. Os pesquisadores também não estudaram se os efeitos são permanentes ou temporários.

Publicando seus resultados na revista Human Brain Mapping, eles concluíram:

"Outras investigações são necessárias para determinar se o afinamento cortical nessas regiões está associado a mudanças comportamentais e também para identificar se o uso é causal ou apenas indiretamente relacionado a essas mudanças na morfologia cerebral".

Mas não entre em pânico ainda. Mesmo que a pílula acabe por encolher as regiões do cérebro em certas mulheres, não há evidências de que isso seja perigoso. Mas definitivamente é motivo para mais pesquisas.

"A possibilidade de que uma forma aceita de contracepção química tenha a capacidade de alterar a estrutura grosseira do cérebro humano é motivo de preocupação, mesmo que as mudanças pareçam benignas – no momento", disse o neurocientista Craig Kinsey, da Universidade de Richmond. Os EUA, que não estiveram envolvidos nesta pesquisa, comentaram na Scientific American, em referência ao estudo austríaco de 2010.

"De qualquer forma, as mulheres precisam ter todas as informações médicas e, agora, neurobiológicas, que podem usar para informar suas decisões contraceptivas pessoais".

Uma versão desta história foi publicada pela primeira vez em abril de 2015.

Facebook Comments